Há mais de 25 anos, quando pela primeira vez tive contato com as terapias alternativas (complementares), fiquei fascinado com o poder das energias.
 Desde então tenho dedicado parte do meu tempo para entender melhor toda essa força invisível que tanto interfere em nosso dia a dia. Primeiro pesquisando o que eram campos energéticos e suas implicações e aplicações, depois os chakras. Busquei muitas informações de maneiras e fontes equivocadas até que aconteceu aquela que parece mais obra do acaso. Um Médico homeopata me presenteou com um manual de radiestesia. Li com muito carinho, mas não levei muito a sério, pois achava muito fácil e ao mesmo tempo muito fantasioso, mas quando já estava praticando e ajudando algumas pessoas com equilíbrio energético a necessidade de um entendimento dos campos e dos chakras aumentaram e a partir desse momento comecei a levar a sério a radiestesia. Primeiramente estudando sozinho e com o passar do tempo veio à necessidade de buscar informações de fontes mais seguras me aconselhando com pessoas experientes na área e fazendo vários cursos de radiestesia, radiônica, florais e outros.
Trabalhando em um local onde tinha muito contato com terapeutas de diversas áreas senti a necessidade do montar um curso que juntasse a ciência da radiestesia e radiônica com algumas técnicas de diagnósticos energéticos.
Isto é um pouquinho da minha história.
Atualmente Pharol do Ser é um pequeno espaço dedicado a terapias e estudos terapêuticos com cursos, grupos e palestras nas áreas de Radiestesia, Estudos dos Chakras e Energia.

Conselhos Práticos:

1. Convém praticar pelo menos 15 minutos diariamente, para ativar a prática da Radiestesia. Não esqueça de reservar 5 minutos para exercícios de relaxamento ou concentração, os outros 10 minutos, para praticar e trabalhar com o pêndulo. Depois de um mês, aumente o tempo.
2. No inicio do treinamento procure ter sempre o mesmo horário e, o mesmo lugar. Basta um canto da sala ou do quarto com uma pequena mesa de madeira, é o suficiente. O mesmo horário e o mesmo lugar ajudarão sempre para um condicionamento melhor.
3. É importante estar descansado, sem tensão muscular e sem pressa.
4. Retirar os metais maiores do corpo e da mesa.
5. Apoiar os pés no chão, não cruzar os pés, nem as mãos.
6. A principio, sempre que possível, deve-se fazer os exercícios sozinhos. Pessoas presentes poderão influenciar com seus pensamentos e incredulidade.
7. Não usar calmante, pois amortecem a sensibilidade. Se você tem tensão, aprenderá tirá-la, fazendo os exercícios de relaxamento que está aprendendo.
8. Esfregar as mãos, antes de iniciar os exercícios e nos intervalos deles, para melhor polarizá-las.
9. Antes da prática com o pêndulo, deve-se fazer alguns exercícios de concentração e relaxamento. Por exemplo, o exercício de abrir a mão bem devagar, que serve também para o controle nervoso muscular.
10. Neutralidade mental. Isto é muito difícil, mas não impossível, não desanime. No início é comum influenciar os movimentos do pêndulo. Dê tempo ao tempo.
11. Deve-se paciência: a Radiestesia só tem um segredo, o trabalho. Sempre muita prudência, especialmente no inicio.
12. Adquirir autoconfiança. Estar convencido de que o pêndulo funciona na sua mão ; para isto, é bom fazer exercícios que possam ser comprovados.
13. Não se tornar fanático.
14. Deve-se desenvolver a sensibilidade através de exercícios de desenvolvimento sensorial.
15. Deve-se ter um método: o qual lhe apresentamos.
16. O melhor horário é de manhã cedo.
17. Regular o pêndulo para sintonizá-lo com aquilo que queremos saber. Segurar o pêndulo suavemente, porem com firmeza.
18. Utilizar sempre um testemunho.
19. Tomar cuidado com a remanência ou a impregnação.
20. As vezes, observa-se que o pêndulo não se movimenta, isto quer dizer que pode existir um bloqueio ( “fading”). Isto poderá ocorrer quando houver mudanças climáticas, bruscas ou aproximação de tempestade com eletricidade. Esta inércia poderá ser também por cansaço ou tensão do praticante, o melhor é deixar a pesquisa para outro momento.
21. Uma mão é usada como antena, com ele, o dedo apontado para o que se quer investigar.
22. Desimpregnar o pêndulo e as mãos, antes e depois de cada experiência. Para isto, basta tocar a ponta do pêndulo em um pedaço de chumbo ou esfregar com um pano macio.
23. Ter um fichário de anotações, classificar testemunhas, fazer gráficos e réguas de medição.

Obs.: Estes são itens importantes para a pesquisa Radiestesica. Não se preocupe se não compreender alguns.

Pharol do Ser
Fernando E. Campos | Radiestesista
48 3343 0363 | pharoldoser.com.br

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Contato

Retornaremos tão logo quanto for possível.

Enviando

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account